domingo, 9 de junho de 2013

Estudo recombinação genética desafia Evolução Humana-Chimpamzé

por Jeffrey Tomkins, Ph.D. *


Os resultados de um estudo recente em genética humana e do chimpanzé tem feito naufragar uma outra hipótese darwiniana.¹  A recombinação genética é um dos principais eventos que ocorrem durante a produção de ovos e espermatozóides, e os cientistas seculares há muito tempo têm pensado ser isso um dos principais motores da evolução humana e do macaco 
Quando as células do esperma e ovos são formadas em seres humanos e vários animais, o processo de meiose gera variação genética. Por exemplo, uma vez que os seres humanos têm dois conjuntos de cromossomos, quando aquelas semelhantes (ou seja, a irmã cromátides)-um par de sua mãe e um par do pai se unem na célula, eles passam por uma troca controlada de segmentos de DNA (mantendo a mesma ordem linear de segmentos). Esta é uma razão pela qual os filhos de dois pais são sempre geneticamente únicos, com exceção de gêmeos idênticos, quando o óvulo fertilizado se divide em dois embriões idênticos. Este processo de troca de segmentos de DNA através de cromátides irmãs é chamado de recombinação genética ou homólogos e não ocorre de forma aleatória em todo o genoma, mas na maioria das vezes ocorre em áreas chamadas de "pontos quentes". 2
Evolucionistas têm especulado há anos que a recombinação genética é um dos principais mecanismos de geração de mutações e resulta em novos genes e sequências de DNA reguladoras. Eles afirmam que este processo facilita uma espécie de mudança mística evolutiva e um mecanismo de embaralhamento.
O problema com esta ideia é o fato de que a recombinação genética está agora a ser mostrada como um processo celular altamente regulado e controlado. É limitado a pontos quentes específicos e dirigidos longe das principais peças reguladoras do genoma que são críticos para a regulação gênica. 3,4 A menos que algo der errado com o processo, a recombinação normalmente permite variações nas características não-vitais, protegendo os processos do núcleo celular. Se este processo não foi precisamente organizado e habilmente controlado, graves danos ao genoma resultaria e a reprodução sexual não seria possível.
Um estudo recente, publicado na revista Molecular Biology and Evolution , avaliou várias regiões dos genomas de chimpanzés e humanos para a frequência de recombinação genética por determinação da variabilidade do DNA (diferenças) em grandes populações de ambos os seres humanos e chimpanzés. 1 Os pesquisadores descobriram que a recombinação genética níveis eram muito superiores em regiões do genoma entre seres humanos e chimpanzés, onde identidade de sequência foi mais elevada. Nas regiões baixas de similaridade de DNA, que ocorrem como diferenças na ordem dos genes, o conteúdo de genes e outras sequências de DNA principais, diferentes taxas de recombinação foram muito mais baixas.
Curiosamente, os autores também procuraram as sequências de DNA entre humanos e chimpanzés para as seções que foram "viradas" em sua orientação, chamada de inversões. Grandes inversões, uma vez que elas ocorrem em uma espécie e se elas são toleradas, irão parar de recombinar. No entanto, os pesquisadores descobriram que as sequências invertidas representaram muito poucas diferenças entre as regiões que examinaram. 
Estes resultados são o oposto do que os evolucionistas esperam. De acordo com o raciocínio evolutivo, as áreas cromossômicas entre humanos e chimpanzés que foram as mais diferente deveria ter altos níveis de recombinação genética que ajudariam a explicar por que eles eram tão diferentes. Mas estas áreas cromossômicas que eram os mais diferentes entre humanos e chimpanzés tiveram os níveis mais baixos!
Mais recombinação é igual a mais diferenças evolutivas certo? Aparentemente, não!
Mais uma vez, os novos dados científicos negaram uma hipótese evolutiva de destaque. Embora este estudo não confirme as previsões hipotéticas de evolução, reivindica o fato bem estabelecido de que a recombinação genética é altamente regulada, e apresentam bioengenharia complexa que ajuda a criar variabilidade  apenas nas áreas do direito do genoma.
Outra pesquisa recente mostrou que os genomas humanos e dos chimpanzés são radicalmente diferentes. 5 E agora este novo estudo demonstrou que essas diferenças não são devido a uma mistura evolutiva mítica e processo de embaralhamento associado com a recombinação genética, mas porque os seres humanos e chimpanzés foram criados separadamente e com exclusividade.
Referências

  1. Referencias
    1. Farré, M. et al. 2013. Recombination Rates and Genomic Shuffling in Human and Chimpanzee—A New Twist in the Chromosomal Speciation TheoryMolecular Biology and Evolution. 30 (4): 853-864.
    2. Smagulova, F. et al. 2011. Genome-wide analysis reveals novel molecular features of mouse recombination hotspots. Nature. 472 (7343): 375–378.
    3. Tomkins, J. 2012. Gene Control Regions Are Protected--Negating Evolution. Posted on icr.org June 11, 2102, accessed May 17, 2013. 
    4. Brick, K. et al. 2012. Genetic recombination is directed away from functional genomic elements in miceNature. 485 (7400): 642-645. 
    5. Tomkins, J. 2013. Comprehensive Analysis of Chimpanzee and Human Chromosomes Reveals Average DNA Similarity of 70%.Answers Research Journal. 6 (2013): 63-69.
    * Dr. Tomkins is Research Associate at the Institute for Creation Research and received his Ph.D. in Genetics from Clemson University.
    Fonte: http://www.icr.org - Artigo postado em 31 de Maio, 2013.

Nenhum comentário:

Postar um comentário